Tags

, , , , , , , , , , , , , , , , , ,

Quando eu estava na faculdade, lembro que Philip Kotler estava para o marketing assim como o Pelé para o futebol. Os dois continuam em alta, porém no contexto do marketing, algumas coisas estão mudando cada vez mais rápido.

Sou da década de 80 e lembro muito bem de um celular enorme com a antena levantada, de pesquisar na coleção da Barsa, de usar disquete de 3 ½ polegadas, gravar meus programas favoritos no vídeo cassete, carregar rolos de filme de 36 poses e segurar a ansiedade até conseguir ver se as fotos ficaram boas.

As marcas também se relacionavam bem diferente de hoje. A propaganda romântica do primeiro sutiã, companhias aéreas nas páginas das revistas sem grandes fidelizações, marcas de cigarros indicando o caminho para o sucesso e estampadas junto a modalidades esportivas, brinquedos nada eletrônicos com anúncios sem grandes efeitos do photoshop.

Onde estamos agora? Estamos na era da internet. Onde tudo é instantâneo e nos permite obter muito mais informação, interação e proximidade em apenas alguns segundos. Podemos alugar filmes pela internet, gravá-los na TV a cabo, baixar pelo smartphone e assistir no tablet dentro de uma galeria subterrânea do metrô, ou ainda, interagir com seus personagens através de realidade aumentada. Como fica o mercado de publicidade dentro desta nova realidade?

As relações, das marcas com os consumidores, mudaram. Quem ainda não o fez, já está atrasado. As pessoas hoje se relacionam com a sua marca favorita. Viram fãs, interagem, demonstram suas opiniões e criticam sem o menor pudor. Relacionamento é a palavra de ordem. Se as marcas querem continuar incrementando seu share of market, precisam hoje investir em seu share of voice.

Os consumidores viraram internautas e não querem apenas clicar. Querem jogar, assistir vídeos, ver fotos, saber de novidades, receber respostas informais e interagir. Está ocorrendo um contágio emocional através de relações O2O (online to offline). Os internautas viraram pessoas. Não é a toa que antropólogos estão sendo contratados por muitas empresas cada vez mais, para ajudar no planejamento estratégico e  nas métricas.

crédito: wishreport

A publicidade está em metamorfose tornando-se cada vez mais convincente. São estas transformações que permitirão com que o marketing digital faça do momento presente apenas o primeiro passo para um futuro mais próspero. A época não é mais de respostas padrão. É preciso tirar a gravata ao comunicar-se adequadamente com os novos consumidores. Pois, mais do que clientes, atualmente eles se tornaram advogados de marca.

Campanha Realidade aumentada  National Geographic Channel:

crédito imagens: mentemarketing.wordpress.com, bloglecom.com.br, abrajetrs.com.br, wishreport.com.br.