Tags

, , , , , , , , , , , , , ,

Estamos sempre ligados nos assuntos que nossos leitores querem ler. Resolvemos abordar mais profundamente o tema Triathlon. Até quem não é triatleta quis saber mais, por isso, nós mandamos ver. Este post está recheado de informações interessantes e até polêmicas sobre este esporte.

A frase acima é de Rychard Hryniewicz Jr, Diretor de Comunicação e Eventos da SPTri (Federação Paulista de Triathlon). Em entrevista ao nosso Blog ele falou do esporte no âmbito profissional, amador e relatou algumas dificuldades encontradas pela Federação. Como costumamos dizer por aqui, puxe uma cadeira e fique a vontade!

A PROFISSIONALIZAÇÃO DO ESPORTE NO BRASIL

Atletas que vão disputar uma Olimpíada ou um Campeonato Internacional com alto rendimento como Elite, Sub23 e Junior, estão sob responsabilidade da Confederação Brasileira de Triathlon (CBTri). A CBTri tem recursos, através da Lei Piva e do Comitê Olímpico Brasileiro que mantêm o Centro de Treinamento (em Portugal) e todo o processo seletivo para os atletas entrarem para a seleção. Já a SPTri, é responsável, dentro do Estado de São Paulo, por manter a qualidade nas provas para amadores. 

Por isso, a segurança é um de seus principais pilares. Veja porque aliando este fator à formação de árbitros, a Federação pode atrair mais participantes: Ouça o Podcast que gravamos com Rychard.

Desabafo: “Temos prefeituras que abraçam o evento em um primeiro momento e quando chega perto do fechamento de alguns detalhes elas desistem”, Diretor da SPTri. Entenda alguns dos principais problemas enfrentados pelas federações e organizadores de eventos de Triathlon. Clique no áudio:

 

CONFIRA NO INFOGRÁFICO ABAIXO, PORQUE  A SPTRI ESTÁ INCENTIVANDO OS ATLETAS A SE FEDERAREM

Porque a SPTri está incentivando os atletas a se federarem

Clique na imagem para ampliar (dados 2012)

O ConteúdoBistrô apoia o esporte e as ações que estimulam seu crescimento. Por isso, pense no esporte que você pratica (se não pratica nenhum, nunca é tarde para começar) e como você pode contribuir para que esta modalidade possa ser desenvolvida em nosso país. Sabemos das dificuldades inerentes que existem por aqui, mas também podemos tentar ajudar de alguma maneira. Em 2014 todos estarão de verde + amarelo. E em 2016? Não é só de bola que vivem os nossos atletas.